Tens de voltar ao escritório? Dicas para líderes e equipas em transição

homem com jornal e mala de trabalho

Depois de um longo período de trabalho 100% remoto, as empresas começam a definir os planos para o regresso ao escritório. Enquanto alguns profissionais não podem esperar por voltar a contactar diretamente com os seus colegas presencialmente, outros olham com algum receio para esta nova mudança. É neste ponto que o papel dos líderes se torna crucial. Neste artigo iremos abordar algumas dicas para que esta transição seja levada a cabo com maior facilidade, tanto por parte dos líderes como das equipas. 

No início da pandemia, as empresas tiveram de se adaptar rapidamente ao mundo em mudança, levando a que maior parte da força de trabalho fosse obrigada a trabalhar em regime remoto. Apesar da dificuldade inicial de adaptação, muitos profissionais acabaram por se habituar à flexibilidade e conforto que o trabalho remoto proporciona e as suas chefias a liderarem através de outros meios. Contudo, ainda muitos líderes defendem que com o trabalho remoto o espírito de camaradagem se perde e a própria energia do trabalho se torna diferente. 

Com o aumento da rapidez de vacinação, a luz ao fundo do túnel começa novamente a surgir e as empresas voltam a retornar aos seus espaços de trabalho físicos. No entanto, esta transição traz novos desafios aos líderes que pretendem manter a satisfação das suas equipas. Não se trata apenas de trocar de monitor e de deixar as sweatpants de lado. A energia física e mental envolvidas no voltar ao escritório tem um grande impacto nos trabalhadores, sendo uma transição fácil para alguns, mas mais difícil para outros. 

Se fazes parte de uma equipa em transição…

Foco no positivo 

Quer se adote um modelo híbrido ou totalmente presencial, a disrupção causada pela mudança pode ser percebida como intimidante, já que, de repente, passamos a ter de interagir com muito mais pessoas, a ter de ajustar horários, preparar marmitas, enfrentar o trânsito, etc. Mas podes diminuir o stress sentido nesta fase ao te focares nos aspetos mais positivos de voltar. Vais poder tornar a contactar com os colegas de trabalho e fortalecer relações sociais. Vais deixar de te sentir tão sozinho e a ter uma maior separação entre a vida profissional e pessoal. 

Estabelece uma nova rotina

Trabalhar a partir da casa muitas vezes resulta no esbatimento de horários e de rotinas anteriormente estabelecidas. Tomar o pequeno almoço enquanto se trabalha poderá ser algo que consideras normal agora, mas que antes da pandemia seria impensável. Por isso, ainda em trabalho remoto, começa a estabelecer os horários que vais necessitar quando voltares ao escritório. Ter uma determinada hora para acordar, para comer, para dormir e para terminar de trabalhar é essencial. Assim, a transição será muito mais suave e o teu próprio corpo irá agradecer este cuidado. 

Está atento ao teu bem estar

Lembra-te ainda que o período de adaptação poderá demorar entre três semanas a três meses, segundo especialistas, por isso sê paciente contigo, pois a nova realidade passará, eventualmente,  a ser uma parte normal da vida. Procura manter uma rotina equilibrada e estar atento aos sinais de stress que esta readaptação poderá estar a causar. 

Ter uma comunicação aberta com a tua chefia também é importante. Partilha o que sentes e procura encontrar, em conjunto, a solução que melhor se adequa à tua situação. Se te preocupa voltar ao escritório de repente, verifica a abertura por parte da empresa para começares por ir um dia por semana e ir aumentando ao longo do tempo. 

Três mulheres e um homem num escritório, com máscara e distanciamento social a trabalharem

Se és um líder….

Procura ser transparente 

As organizações deverão procurar ser claras e explícitas na determinação de expectativas sobre como e quando os seus trabalhadores deverão voltar ao escritório. Irão adoptar um período de transição que culminará num modelo híbrido a longo prazo? Ou pretendem retomar na totalidade?  É importante que os trabalhadores se sintam informados e que os seus interesses estejam a ser tidos em consideração. Uma transição faseada poderá ser a melhor abordagem principalmente para aqueles profissionais que têm em casa crianças pequenas ou que tenham um maior risco de contrair o vírus. Uma comunicação aberta é sempre o mais importante. 

Considera o tempo de ajuste

A mudança para o regime de trabalho remoto foi muito rápida, no entanto, foi superada pela maioria das empresas, em equipa. Com um maior tempo para planear, a transição para o escritório deverá ser mais fácil e tranquila. Para isso, a gestão das expectativas e a definição de datas para determinadas fases poderão ser passos importantes a tomar. 

Coloca a segurança em primeiro lugar

Apesar de não ser a principal, a preocupação com a segurança ainda é uma das razões primordiais que deixa os trabalhadores inseguros quanto ao regresso ao escritório. A vacinação encontra-se numa fase avançada, mas ainda não completa e o aumento de casos em território nacional deixa qualquer um preocupado. 

Assim, é importante que as organizações procurem assegurar estas questões e que adaptem os espaços de trabalho às novas regras de distanciamento social. Para as empresas onde não existam lugares de trabalho marcados, é necessário criar uma forma online de reserva dos mesmos para que estes estejam sempre limpos e prontos a serem usados em segurança. 

É ainda fundamental que comuniquem antecipadamente estas novas regras de segurança aos seus trabalhadores. Explicar quantas vezes o espaço será desinfetado, promover o uso de máscara, colocar divisórias com acrílicos, etc. Estas poderão ser algumas das medidas adotadas e que devem ser do conhecimento de todos os colaboradores.

Equilibra as necessidades da empresa com as dos colaboradores 

Quando as decisões de negócio afetam diretamente as necessidades dos trabalhadores, é importante que estes sintam que as suas chefias se preocupam com o seu bem estar e com as suas opiniões. Por isso, é importante que os líderes procurem ouvir as ideias das suas equipas e as considerem no plano de retorno aos escritórios. 

Poderá ainda ser oportuno, assegurar acompanhamento psicológico aos colaboradores que estejam a passar por esta transição, de modo a que se sintam sempre apoiados. São estes gestos que eventualmente potenciam o bem estar psicológico dos colaboradores, contribuindo para a sua satisfação e retenção a longo prazo. 

Pondera um modelo híbrido

De acordo com a recente sondagem da Intercampus a maioria dos portugueses procura transitar para um modelo híbrido onde o trabalho presencial e remoto possam coexistir na mesma medida. O estudo revela ainda que 40,6% dos inquiridos preferem teletrabalho dois dias por semana e 36,7% trabalhar à distância em semanas alternadas.

Face a estes números é fácil perceber que a maior parte dos trabalhadores não procuram largar a 100% o modelo de trabalho que adotaram até então. Neste sentido, enquanto líder, deverás procurar estar atento àquilo que as equipas valorizam de forma a melhorar este período de transição para todos os elementos. 


O nosso papel é ser o elo que liga os melhores talentos aos melhores projetos. Procura um novo desafio? Então, conheça as nossas oportunidades aqui!